(…) Ah! O meu grito de revolta que feneceu lá longe,
amilcar-cabral.jpg
Muito longe,
Na minha garganta!

Na garganta de todos os Homens
Amilcar Cabral, Poema

No dia 4 de Fevereiro de 1961 iniciou-se a guerra colonial portuguesa. As colónias africanas de Portugal lutavam arduamente pela independência.
De um lado estavam as Forças Armadas Portuguesas e, do outro, lutando pelo direito à autodeterminação do seu povo, as forças do movimento de libertação das províncias ultramarinas de Portugal.
Amílcar Cabral surge neste contexto de guerra, destacando-se como uma das principais forças impulsionadoras da luta pela independência africana, face a Portugal.
Nasceu a 12 de Setembro de 1924, em Bafatá (Guiné). O seu pai, Juvenal Cabral, era professor primário e a sua mãe, Iva Pinhel Évora, era doméstica. Ambos eram naturais de Cabo Verde.
Foi a sua mãe, Iva Évora, que sempre lutou pela instrução do seu filho. E, assim, aos 12 anos Amílcar Cabral iniciou o estudo na Escola da Praia. Amílcar era um bom aluno, bastante inteligente e, em 1937 consegue entrar no Liceu D. Henrique em Cabo Verde.
Em 1944, aos vinte anos, Amílcar termina o liceu e começa a trabalhar como ajudante de tipógrafo na Imprensa Nacional.
Em 1945 ganha uma bolsa de estudos em Portugal e parte para Lisboa, cidade onde passa a viver, ingressando no Instituto Superior de Agronomia da cidade.
No ano de 1949, torna-se um dos dirigentes da CEI (Casa dos Estudantes do Império).
Destacou-se no futebol, na equipa de agronomia e o Benfica ter-lhe-á, até, feito uma proposta de trabalho. No entanto, Amílcar recusou-a. Os seus objectivos eram outros...
No quinto ano de curso, Amílcar decide voltar à sua terra para passar as férias.
Quando chega não fica parado, extremamente dinâmico e inconformado com a miséria do seu povo: “milhões de indivíduos têm necessidade da minha contribuição na luta difícil que travam contra a natureza e os próprios homens (...) Lá, em África, apesar das cidades modernas e belas da costa, há ainda milhares de seres humanos que vivem nas profundas trevas.”, Amílcar faz uso da rádio de Cabo Verde para transmitir os seus conhecimentos de cultura geral e conhecimentos técnicos sobre a erosão dos solos.

No entanto, tudo isto durou pouco. As autoridades portuguesas acabaram por tirar-lhe o acesso à rádio e, também, a possibilidade de continuar a ministrar um curso nocturno na Escola Central da Praia.
Um povo instruido era uma afronta para o Regime.
Amílcar Cabral casa-se com Maria Helena de Athayde Vilhena Rodrigues que tinha sido sua colega no Instituto de Agronomia. Deste casamento resultaram duas filhas: Iva e Ana Luísa.
Em 1950, Amílcar Cabral termina o curso e começa a fazer estágio na Estação Agrónoma de Santarém. Porém, em 1952, devido à morte do pai, Amílcar regressa a Bissau, contratado pelos Serviços Agrícolas e Florestais. Inicia assim a sua vida profissional, mas mantém também activa a sua vida política.
Em 1955, o Governador obriga-o a sair de Guiné-Bissau e Amílcar vai para Angola onde recomeça a trabalhar como engenheiro. É também aí que toma contacto com os fundadores do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola).
A 19 de Setembro de 1956, Amílcar Cabral, juntamente com Júlio de Almeida, Elisée Turpin, Fernando Fortes, Luís Cabral e Aristides Pereira, forma o Partido que lhe permite o actual reconhecimento: PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo V erde).
Assim, em 1957, Amílcar vai a Paris participar numa reunião para o desenvolvimento da luta contra o colonialismo português.
Em 1960, Amílcar denuncia o colonialismo português pela primeira vez, em Londres, numa conferência internacional. E, ainda nesse ano, a 15 de Novembro, o PAIGC envia ao governo português um memorandum, propondo a auto-determinação de Guiné e Cabo Verde. Também no mesmo ano, a República da China torna-se o primeiro país a apoiar o movimento de libertação nacional dirigido pelo PAIGC. Seguiu-se o Reino de Marrocos, em 1961.
No ano de 1963, o PAIGC inicia a luta armada na Guiné.
Em 1970, no dia 22 de Novembro, o Governador de Guiné-Bissau manda capturar e eliminar os dirigentes do PAIGC, no entanto, felizmente, não conseguiu.
Assim, a 12 de Setembro de 1972, o PAIGC tinha já 2/3 da Guiné. No mesmo ano Amílcar interveio, pela última vez, no Comité de Descolonização da ONU.
Em 1973, Amílcar Cabral anuncia que, nesse mesmo ano, seria proclamada a independência de Guiné-Bissau. Morre dias depois.
No entanto, após negociações em Lisboa no ano de 1974, entre Portugal e o PAIGC, o presidente da ANP, Abílio Duarte, proclama a 5 de Julho a independência de Cabo Verde.
Como homenagem a Amílcar Cabral, o grande e carismático líder africano, considerado o “pai” da nacionalidade cabo-verdiana, o dia 20 de Janeiro (dia em que o alvejaram mortalmente em Conacry, 1973) tornou-se feriado na Guiné-Bissau e em Cabo Verde.



http://www.portugues.rfi.fr/africa/20110120-dia-dos-herois-nacionais-asssinala-morte-de-amilcar-cabral -> Amílcar Cabral (16.11 de 8 de Março de 2011)

http://blogfac.wordpress.com/à Amílcar Cabral (16.11 de 8 de Março de 2011)
http://www.instituto-camoes.pt/encarte/encarte43c.htm -> Amílcar Cabral (16.11 de 8 de Março de 2011)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Partido_Africano_para_a_Independ%C3%AAncia_da_Guin%C3%A9_e_Cabo_Verde PAIGC
http://www.enciclopedia.com.pt/articles.php?article_id=689-> Amílcar Cabral (16.11 de 8 de Março de 2011)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Partido_Africano_para_a_Independ%C3%AAncia_da_Guin%C3%A9_e_Cabo_Verde
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Colonial_Portuguesa

Jacinta Lopes, 12ºC nº7