O governo da 1ª República logo a 15 de Outubro reuniu um grupo de “gente” com grande prestígio para que elaborasse um projecto de bandeira. Desse grupo fazia parte o pintor Columbano Bordalo Pinheiro, o jornalista João Chagas, o escritor Abel Acácio de Almeida Botelho, o capitão de artilharia José Afonso Pala e o primeiro-tenente da Marinha António Ladislau Parreira. Naturalmente, que se inspiraram nas bandeiras dos centros republicanos e das sociedades secretas que tinham contribuído para o êxito da revolução.
A escolha da bandeira levou à elaboração de um relatório, onde se procurou justificar a escolha das cores e dos símbolos da mesma. Após a aprovação do projecto da futura bandeira nacional, publicou-se, então, a escolha definitiva, em jornais, revistas, e num almanaque da época.
Os argumentos para a escolha das cores da bandeira e dos símbolos foi apresentado de forma detalhada por Joaquim Augusto Fernandes, O verde e o vermelho foram as cores escolhidas. Assim, a bandeira de Portugal Republicana passou a ser um rectângulo dividido verticalmente em duas cores, o verde e o vermelho, que têm uma grande simbologia para o Povo Lusitano. O vermelho simboliza o sangue derramado, na luta do nosso povo, por grandes ideias, e, na defesa de valiosos valores, tais como a igualdade, a fraternidade e a liberdade. Esta cor significa todo o sacrifício da alma lusitana ao longo da História. A cor verde simboliza a esperança num futuro melhor e os Republicanos desejavam criar todos os meios políticos, económicos, sociais e educativos, com vista, à melhoria das condições de vida das populações.
No centro, temos a esfera Armilar que representa a época áurea dos descobrimentos, isto é, a época gloriosa daqueles que não tiveram medo de trilhar, pela primeira vez, o Oceano.
O escudo que existe na nossa bandeira remete para a fundação de Portugal. Simboliza a afirmação da cultura ocidental no mundo. Deste modo, as 5 quinas simbolizam os cinco mouros derrotados por D. Afonso Henriques na Batalha de Ourique.
Os sete castelos simbolizam as localidades fortificadas que D. Afonso Henriques conquistou aos Mouros e os cinco pontos brancos dentro de cada quina representam as cinco Chagas de Cristo.

Bibliografia
http://www.portugal.gov.pt/PT/GC17/PORTUGAL/SIMBOLOSNACIONAIS/BANDEIRANACIONAL/Pages/BandeiraNacional.aspx, acedido a 26 de Outubro de 2010
http://pititi.com/portugal/bandeira.htm, acedido a 28 de Outubro de 2010
http://www.presidencia.pt/?idc=44, acedido a 28 de Outubro de 2010
http://www.prof2000.pt/users/arnaut/HinoBandeira.htm, acedido a 3 de Novembro de 2010
http://www.centenariorepublica.pt/escolas/s%C3%ADmbolos-da-rep%C3%BAblica/bandeira-nacional, acedido a 22 de Novembro de 2010