D._Dinis.png
D. Dinis

D. Dinis foi o sexto rei de Portugal e governou entre 1279 e 1325. Nasceu na cidade de Santarém a 9 de Outubro de 1261 e morreu em Lisboa a 7 de Janeiro de 1325. Filho primogénito do rei D. Afonso III (1248 - 1279), e da Infanta Dª Beatriz de Castela, encontra-se enterrado em Odivelas, no Mosteiro São Dinis.
Para além do cognome de “O Lavrador” por que ficou conhecido, recebeu ainda os de “ Rei Agricultor”, “ Rei Poeta” e “Rei Trovador” devido ao facto de ter levado a cabo medidas para incrementar o desenvolvimento da agricultura em Portugal e pelas Cantigas de Amigo e Cantigas de Amor que compôs, e pelo desenvolvimento, durante o seu reinado, da poesia trovadoresca.
Ao longo do seu reinado promoveu o desenvolvimento da agricultura, cultura, política, religião e comércio.
D. Dinis preocupou-se desde muito cedo com o desenvolvimento da agricultura no Reino. Assim, doou terras a quem as não tinha, sob a condição de as cultivarem e transformou zonas de pântanos em terras próprias para a prática da agricultura (arroteias).
Ficou conhecido por mandar reflorestar o Pinhal de Leiria substituindo os pinheiros mansos que já existiam por pinheiros bravos, de maior crescimento.
Além de ser poeta, D. Dinis protegeu todos os escritores daquele tempo e ordenou que os documentos escritos mais importantes fossem guardados no Estudo Geral de Lisboa.
A ele se deve igualmente a fundação da primeira Universidade do país, a Universidade de Coimbra, que durante muitos anos foi a única do reino.
Foi também no seu reinado que todos os documentos deixaram de ser redigidos em latim para passarem a ser escritos em português.
Inteligente por natureza, desde o início da sua governação, D. Dinis procurou retirar poder ao clero e à nobreza de forma a garantir a centralização do poder real, ou seja, a ser “o mais alto” da sociedade Portuguesa e ninguém lhe poder fazer frente. Foi precisamente no seu reinado que foram realizadas várias inquirições aos grupos privilegiados.
D. Dinis apesar de ser um rei pacífico, ainda assim, participou em alguns conflitos quer com o rei de Castela, seu irmão, quer com o seu próprio filho, o futuro D. Afonso IV.
Em 1297, estabeleceu o Tratado de Alcanizes com Castela, o qual firmou as fronteiras entre os dois países, as mais antigas da Europa, garantindo, assim, a paz entre os dois reinos. Segundo o acordo estabelecido os dois reinos comprometiam-se a ser amigos e a ajudar-se mutuamente por um período de 40 anos.
Quando D. Dinis subiu ao poder, o Reino estava em conflito com a Igreja Católica, devido às acções, levadas a cabo nos reinados de D. Sancho II e D. Afonso III em Portugal contra o clero e ordens religiosas. D. Dinis procurou desde cedo estabilizar as relações com Roma, o que veio a conseguir através da assinatura de um tratado com o Papa Nicolau III em que se comprometia defender os interesses de Roma em Portugal.
Salvou ainda a Ordem dos Templários da extinção ordenada por Filipe, o Belo, através da criação da Ordem de Cristo que herdou todos os bens da antiga ordem. Apoiou e protegeu ainda a Ordem de Santiago depois destes se terem separado de Castela.
D. Dinis ordenou a exploração das minhas de cobre, prata, estanho e ferro para ajudar o Comércio interno e externo.
Desenvolveu o Comércio com outros países, chegando a assinar um Tratado Comercial com o rei de Inglaterra em 1308.
D. Dinis promoveu as feiras francas, onde os comerciantes não pagavam impostos.
Em 1293, através de uma Carta Régia, D. Dinis criou a Associação de Mercadores, também conhecida por Bolsa de Mercadores. Esta Bolsa serviu para tentar proteger os mercadores de possíveis prejuízos com as embarcações, durante ou após as viagens, e ao mesmo tempo, serviu de incremento para a futura Marinha Portuguesa ao serviço da Coroa.