Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido por Marquês de Pombal, (Lisboa, 13 de Maiode 1699Pombal, 8 de Maiode 1782), foi um importante político e diplomata português.

Durante o reinado de José I (1750-1777) o Marquês de Pombal foi considerado a figura mais reconhecida do governo português.

A sua grande capacidade de trabalho ficou particularmente reconhecida na forma como encarou o trágico terramoto de 1755, circunstância a partir da qual se tornou o homem de confiança de D. José I.

Durante a sua gestão, Pombal pôs em prática um vasto programa de reformas, cujo objectivo era melhorar a administração sem debilitar o poder real.

Esse vasto programa de reformas é caracterizado por um conjunto de reformas:

· Económicas - em que procurou melhorar a produção nacional em relação à concorrência estrangeira, desenvolver o comércio colonial e estimular o desenvolvimento das manufacturas, para isso tomou diversas medidas tais como fundar companhias privilegiadas, como por exemplo: em 1753 a Companhia do Comércio da Ásia Portuguesa; em 1756, a Companhia para a Agricultura das Vinhas do Alto Douro, e em 1773, a Companhia Geral das Reais Pescarias do Reino do Algarve e ao mesmo tempo, criar incentivos fiscais para a instalação de pequenas manufacturas voltadas para o mercado interno português, do qual também faziam parte as colónias.

· Religiosas - onde também tomou diversas medidas tais como: expulsar e apreender os bens da Companhia de Jesus dado a sua intervenção na sociedade portuguesa ser um obstáculo ao fortalecimento do poder régio; tomar medidas de repressão da autonomia da grande nobreza, favorecendo assim a ascensão da burguesia mercantil e financeira.

· Na educação - reformou o ensino, anteriormente nas mãos dos Jesuítas, através da adopção de novos processos pedagógicos e da criação de novas escolas. Criou pela primeira vez o cargo de Director Geral dos Estudos, que tinha o papel de vigiar a evolução dos estudos e executar um relatório anual da situação do ensino, também inseriu importantes modificações no sistema de ensino superior que até essa altura estava sob a responsabilidade da Igreja, passando depois a estar sob o controlo do Estado

· Sociais - o Marquês de Pombal como já foi referido procurou abolir as resistências ao poder absoluto, para isso tomou algumas medidas de disciplina e de repressão da autonomia da grande nobreza para isso fundou o Real Colégio dos Nobres; tomou também medidas de disciplina em relação ao clero.

O Marquês de Pombal ficou sobretudo conhecido, pelo famoso caso com a família Távora, pois em 1758, D. José I é ferido numa tentativa de regicídio. A 13 de Janeiro de 1759 o duque de Aveiro e a família Távora foram acusados de tentativa contra a vida do rei e assim foram torturados e executados em praça pública.

Com este golpe, o poder da nobreza foi definitivamente reduzido, marcando uma vitória sobre os inimigos do rei. Pela sua acção rápida, D. José I concedeu ao seu leal ministro o título de Conde de Oeiras em 1759.

Adquirindo o título de Marquês de Pombal em 1770, teve quase exclusivamente o poder de administrar Portugal até à morte de D. José I em 1777.

Quem lhe sucedeu foi D. Maria I, que como nunca aceitou as medidas tomadas pelo Marquês de Pombal e como não concordava com a execução da família Távora, retirou-lhe todos os cargos. Tento em conta à sua idade avançada, foi apenas castigado a viver longe de Lisboa. Faleceu em 1782 no seu palácio do Pombal.